Caixa de Som Jawbone Jambox

13 dez

Usando princípios de design minimalista, menos peças e de montagem mais simples, a Jawbone criou sua caixa de som wireless Jambox. O pequeno alto-falante de 85 dB fica situado entre o volume sonoro de uma motocicleta e um concerto de rock. Oferece um extraordinário áudio Hi-Fi equipado por um par de drivers acústicos sofisticados, capaz de produzir frequências extremas altas (tweeter) e baixas (woofer) a partir de um único alto-falante.

A Jambox é construida em aço inoxidável e borracha moldada, os quatro lados da caixa estão envoltos em uma grade única para reduzir a partes móveis. A grade de metal perfurada são texturizadas para reduzir a vibração, com quatro padrões geométricos e cores diferentes. Têm autonomia de aproximadamente 10 horas de reprodução contínua e custa $199 nos Estados Unidos.

Wesc Clothes

12 dez

É possível uma empresa construir sua marca na cultura underground, e mesmo assim, tornar-se uma das maiores fabricantes de roupas de seu país, ambicionando ser uma das maiores do mundo? A WeSC, em menos de 15 anos, baseando-se numa forte cultura corporativa construiu.

A We Are the Superlative Conspiracy nasceu em Estocolmo na Suécia fabricando camisetas, bonés e calças baseadas na moda da rua. Como o nome já sugere, a conspiração superlativa é a idéia e a filosofia por trás da marca. Eles se definem como uma família do bem, mentes criativas que trabalham com os mesmos objetivos e ideais. A WeSC sempre apostou em métodos de marketing inovadores, que com o tempo, se mostraram muito eficazes. As estratégias de comunicação são sempre inesperadas, emocionantes e imprevisíveis. A “WeActivists” é o carro chefe e onde a corporação apostou a maioria das suas fichas. Embaixadores informais da marca, ótimos artistas, skatistas, fotógrafos, músicos, famosos ou não, começaram a militar à favor da WeSC, que em poucos anos, tornou-se uma das marcas mais fortes no segmento de moda de rua, com vendas em 24 países, sejam nas 28 concept stores ou em mais de 2.600 lojas multi marcas.

As coleções WeSC são famosas pela qualidade e pela originalidade. As roupas, acessórios, calçados e headphones permanecem individuais e com uma mentalidade punk. Para ver a coleção completa We Are the Superlative Conspiracy, clique aqui.

 

 

 

 

MIT Students’ Soft Rocker

7 dez

O Soft Rocker é uma cadeira de balanço que usa energia renovável para recarregar os seus aparelhos eletrônicos. As estações de energia limpa disfarçada de mobiliário urbano usam toda a eletricidade colhida pelos painéis solares implantados no topo para recarregar eletrônicos através de três portas USB e para iluminar uma faixa de luz no interior do loop.

As estações de formas arredondadas foram criadas pela professora Sheila Kennedy e uma equipe de estudantes, para o Festival de Art + Science + Technology (FAST) que aconteceu em 2011 no campus da Massachusetts Institute of Tecnology (MIT).

Nike Ibrahimovic’s Destroyer Jacket

6 dez

A Nike Sportswear resolveu dar um presente ao jogador sueco Zlatan Ibrahimovic. A Destroyer Jacket é um símbolo das realizações do atacante faixa preta de Taekwondo. Na jaqueta preta de couro estão costuradas, nas mesmas posições, algumas das inúmeras tatuagens que Ibrahimovic ostenta em sua pele. O tatuador do jogador Christian Wagner e a estilista Julia Hederus, ficaram responsáveis pelo projeto.

Ao receber a sua jaqueta Ibrahimovic disse: “Eu tento ter o meu próprio estilo dentro e fora de campo, receber esta jaqueta original foi muito inesperado e emocionante. Eu tenho trabalhado duro para ter sucesso e este casaco reflete isso, mas ainda há muito ainda a realizar.”  O casaco vai ficar em exposição na loja sueca Sneakersnstuff e na Precinct 5 em Amsterdam.

 

 

Teclado e Mouse Multitouch de Vidro

5 dez

O crescimento de sites, como o Kickstarter e o brasileiro Catarse, que sugerem o financiamento de projetos de arte, entretenimento e design, tudo de maneira colaborativa, faz com que surjam milhares de coisas bacanas, que muitas vezes não se concretizam por falta de recursos.

Jason Giddings resolveu usar o Kickstarter para tentar bancar o seu Multi-Touch Keyboard and Mouse. Eles são feitos de vidro temperado e de uma base de metal. Projetados com tecnologia simples, a já existente tela sensível ao toque, as esculturas de vidro utilizam baterias de lítio para serem iluminadas e completamente wireless.

O usuário que bancar $10 terá a gratidão infinita do designer e a chance de batizar o produto. Se bancar $25 receberá um login para fazer atualizações e baixar novas aplicações do produto. Por $150 receberá o mouse de vidro, caso seja de fora dos Estados Unidos é necessário adicionar o frete. Por $250 você pode comprar, aqui, o mouse e o teclado.

Pumpack Mala à Vácuo

2 dez

Os designers coreanos Yejee Lee, Jongchan Mun, Seobin Ah, e Hong Woneui pensaram num jeito prático e inteligente da sua mala virar a mala do gato Félix e caber tudo que você precisa.

A alça de puxar da mala Pumpack funciona também como uma bomba manual que comprime as roupas à vácuo, retirando o ar dentro de uma embalagem plástica, o que faz o volume diminuir em quase 1/3. O funcionamento é simples: As roupas são colocadas dentro da bolsa à vácuo, logo fecha-se a bolsa, levante-se a mala e gire-se a manivela/alça para começar a bombear. O resultado: o estresse da viagem descomprimido através da compressão. As roupas ficam amassadas, mas nada que as malas comuns não façam. Com esse projeto a Yanko Design ganhou o prêmio Reddot de design 2011 na categoria de produtividade mundial.

Nissan Leaf

1 dez

Um carro tão diferente, que têm autonomia de, no máximo 160km, não poluente, sem câmbio e elétrico vai cair no gosto dos brasileiros? Bom, eu estou curioso esperando pelas, já clássicas, propagandas agressivas e criativas que a Nissan vai ter que fazer para introduzir o Leaf no mercado tupiniquim.

A Nissan Motors surgiu no inicio do século 20 pela união de 3 empresas. Kwaishinsha Co. que fabricava um carro chamado DAT, Jitsuyo Jidosha Co. que fazia rodas para veículos e Tobata Casting. Apenas em 1934, quando produziam o modelo Datsun, o nome foi mudado para Nissan Motor Co., que também produziu caminhões militares, motores para aviões e barcos torpedeiros para a grande guerra mundial.

A fábrica da Nissan em Yokohama foi poupada durante a guerra, e no pós-guerra a empresa recomeçou a fabricação de caminhões e dos Datsun. Nos anos 50 a empresa obteve um salto tecnológico graças a parceria com a britânica Austin Motors. Durante e em pouco tempo obteve sucesso com os seus carros: Bluebird 1959, Cedric 1960 e o Sunny 1966.

A empresa aproveitou-se das crises americanas de petróleo nos anos 70 e entrou nos Estados Unidos com os seus carros para consumidores conscientes, logo depois entrenado na briga de cachorros grandes no mercado de luxo. A Nissan/Infiniti ainda trouxe os seus conterrâneos, Toyota/Lexus e Honda/Acura. Já nesse século a Nissan se juntou com a francesa Renault e entrou de vez no mercado europeu. Em 2011, o Nissan Leaf, novamente, para consumidores conscientes, foi escolhido o carro do ano na Europa.

O elétrico Leaf, que significa “Leading, Environmentally friendly, Affordable, Family car” não emite poluentes, nem gases que comprometem a camada de ozônio e contribui para a diminuição da poluição sonora. O carro tem uma bateria, recarregável através de uma tomada, com vida útil de 8 à 10 anos . Já existem estudos para o carro ser alimentado através de uma plataforma wireless.  O veículo, misto de sedã com hatchback, consegue atingir a velocidade máxima de 145 km/h, mas já existe o Leaf Nismo, o Leaf de corrida. Apresentado pela primeira vez no Brasil em maio de 2011, para ser o carro oficial da C40 SP. O carro custa nos EUA, $32.700, mas com a alta do preço dos carros elétricos, a Nissan não tem previsão de chegada do carro ao mercado brasileiro, mas a montadora vem buscando uma isenção de imposto de importação e também visa outros incentivos do governo federal para fazer o Leaf ser acessível e competitivo no mercado brasileiro.

Cerveja Pilsner Urquell

30 nov

Provavelmente por serem leves, refrescantes, não muito amargas e principalmente (para as cervejarias) ideal pra serem tomadas em grandes quantidades, as cervejas Pilsen dominam completamente o mercado brasileiro. Mas segundo o sommelier de cervejas, Mauricio Beltramelli, a maioria das cervejas brasileiras de massa, não são exatamente Pilsen. São Standard American Lager. O principal fato que comprova isso, é a diferença do nível de amargura (IBU) entre os dois estilos. As Pilsens começam em 25 e vão até 45,  já as Standard American Lager tem no máximo 15, o que acontece com a maioria das loirinhas geladas brasileiras.

A Pilsen é o gênero de cerveja mais consumido no mundo. Ela foi criada na cidade tcheca de Plzen em 1842 na cervejaria Pilsner Urquell. Antes de 1840, as cervejas consumidas na cidade eram vindas da região da Bohemia, eram caracterizadas por serem bem encorpadas e de alta fermentação. Essa cerveja escura não agradava os burgueses de Plzen. Por esse fato, ficou a cargo do mestre cervejeiro bávaro alemão Josef Groll, o desenvolvimento de uma cerveja melhor. Ficou decidido também que iria se construir uma nova cervejaria, capaz de armazenar adequadamente as cervejas de baixa fermentação produzidas na região.

A Pilsner Urquell é caracterizada pela sua clareza e pela cor dourada. Mais lupulada que as outras pilsens, ela leva lúpulos cultivados na Europa Central, como por exemplo o Saaz. A receita de Groll, que inclusive morreu aos 74 anos bebendo cerveja na mesa do bar, é muito bem executada e guardada pela Urquell, que para muitos é a melhor cerveja Pilsen do mundo. Ela pode ser harmonizada com comidas leves, saladas, frutos do mar, queijos suaves e petiscos.

Com a propaganda da Pilsner Urquell acima, fica a pergunta. Será que só no Brasil as propagandas de cerveja são, na maioria, pessoas nada a ver, fazendo coisas idiotas e achando que, quem bebe cerveja é completamente retardado?

Nike Waffle Series

30 nov

O primeiro produto desenvolvido pelo fundador da Nike, Bill Bowerman foi a sola de “waffle”. Bowerman começou a experimentar quais solas teriam uma maior aderência à pista da Universidade de Oregon e descobriu que o poliuretano teve os melhores resultados. Numa manhã de domingo ele derramou poliuretano líquido em uma velha máquina de fazer waffles de sua esposa e usou sua sola no tênis  Nike Waffle Trainner em 1974.

A origem da Nike deu-se em 1964, quando o treinador de atletismo da Universidade do Oregon, Bill Bowerman, e seu atleta, Philip Knight começaram a fazer experimentos para aumentar sua performance. Os dois já eram proprietários da Blue Ribbon Sports, um pequeno distribuidor de tênis japoneses Onitsuka Tiger. Como os lucros da empresa iam de vento em popa o negócio expandiu rapidamente e a Blue Ribbon Sports se preparava para lançar a sua primeira linha de tênis próprios levando o famoso Swoosh, a vírgula da empresa, que a comprou por $35 da designer Carolyn Davidson em 1971. A coleção para futebol chamava-se Nike, o nome da deusa grega da vitória, Νίκη. A partir dai a empresa não vencia fazer pares e mais pares de tênis esportivos sempre apostando em novas tecnologias.

A Nike resolveu eternizar a primeira criação de seu criador. A coleção Nike Vintage, traz a tona novamente todo o cenário de quando a Nike não era a gigante de hoje, com os seus lendários Nike CortezNike Waffle RacerNike Oregon WaffleNike Elite, Nike LD-100Nike Daybreak. Vale a pena dar uma olhada no hotsite da coleção, aqui.

Qisda QPT-231 Mini-Projector

29 nov

A empresa taiwanesa Qisda ganhou o prêmio Reddot Design 2011 com o seu compacto, simples e elegante projetor QPT-231. O aparelhinho de 250 gramas, apresenta muitas opções de conexão e usa uma liga de alumínio que ajuda a reduzir problemas térmicos e de ruído, comuns entre projetores.

O mini-projetor suporta D-sub e AV-in padrão, pode-se assistir TV, navegar na internet, jogar video-game, apresentar trabalhos e fotos numa tela de 100 lúmens de brilho com tamanho de, no máximo, 50 polegadas. Fora da tomada o QPT-231 têm autonomia de 3,5 horas.